segunda-feira, 29 de agosto de 2016

O corpo de Reminda Dolefulina

Olá, amigos, tudo na vida tem começo, meio e fim. Este blog iniciou com um pensamento, ao longo do tempo, passou para outro, porém, ninguém tem mais tempo a perder de ficar lendo isso ou aquilo. Nem eu mesmo, confesso.
Portanto, faço aqui minha publicação final e, para tanto, relembrando as minhas andanças nos 5 anos que pertenci à Oficina de Escritores, faço um conto curto como lá fazíamos (menos de 500 palavras) e, deste modo, o blog se despede, lembrando aos mais íntimos que, aqui mesmo, me despedi da literatura.
Caso algum dia um blog meu renasça (acredito em reencarnação), será algo diferente, porque tudo muda e, assim esperamos, para melhor.
Portanto, bye-bye, so long, farewell. Que Deus nos proteja e ilumine.


O CORPO DE REMINDA DOLEFULINA 
Numa manhã ensolarada de sábado, após o Instituto Médico Legal finalizar o exame no corpo gélido de Reminda Dolefulina (45 anos de idade, estado civil indefinido), emitiu-se o seguinte parecer: “libere-se o corpo ao responsável”.
Aí começou o problema.
Por parte dos envolvidos ninguém se julgava “o responsável” em abrigar e dar sumiço àquele corpo. Alegou-se que, nos dias de hoje, pouco se pode preocupar com velórios, que se trata de formalidade social. Ainda por cima, ninguém se prontificou a bancar esses custos, pois — há de se reconhecer— objetos mortos não são vistos mesmo como prioridades. Porém, percebeu-se logo que o maior custo que se apresentava não se tratava do econômico, mas do emocional. E, aí, pior ainda, é que ninguém quis mesmo se dar ao trabalho. Alegou-se que a culpada da morte seria a própria Reminda ou a doença que daquele corpo se apoderara: síndrome de aspiração meconial.
Ocorre que tal doença é resultado do acúmulo do líquido amniótico com mecônio nos pulmões ocasionando insuficiência respiratória nos recém-nascidos, podendo acarretar a morte. Agora, perguntavam-se os parentes afins, como pode um corpo de 45 anos aspirar líquido amniótico acrescido de fezes de um recém-nascido?
Os especialistas explicaram que, primeiramente, o desejo de aspiração é algo que se apresenta desde criança e, segundamente, cada um tem o direito de aspirar o que bem entender. Uns aspiram pó, outros aspiram líquido. Uns aspiram ao espírito, outros aspiram à matéria. Para tanto, vale-se mais do desejo do que da tradição. Questões de ordem psicanalítica que somente os especialistas lacanianos são capazes de discorrer a respeito, quando não optam pelo corte ou, mais comum ainda, pelo mais completo silêncio.
            Os envolvidos no problema consideraram justa a explicação, porém, passadas mais 24 horas, lá ainda se encontrava o corpo. Morto, mortinho da silva. Reforçou-se então o pedido: “libere-se o corpo ao responsável”.
            Como os envolvidos se deram satisfeitos pela explicação, renegaram o defunto ao segundo plano e, passadas mais 24 horas, permanecia o corpo envelhecido de Reminda Dolefulina lá na geladeira, sem as respectivas exéquias.
            Foi quando um estagiário, um sujeito magro, muito novo ainda, cabelos compridos, esquelético e de sorriso meio abobalhado, resolveu pôr fim à questão.  Não havia familiares diretos, não havia mais interesse dos envolvidos, apenas o corpo de Reminda ali na câmara frigorífica. Visto constar como causa mortis as ditas fezes de recém-nascido, buscou pela localização da campa da mãe de Reminda e, pelos Correios, dentro de uma caixa de isopor, enviou-se o corpo frio para lá. Com barbante, junto ao dedão do pé esquerdo, acrescentou-se uma etiqueta com o curto epitáfio: “Descanse em paz, Reminda”.
            Acredita o patético estagiário que a estratégia deu certo. Até o presente momento, não houve novas buscas pelo cadáver ou alguma espécie de reclamação que se justifique junto ao serviço de atendimento ao cliente.


MÚSICA DE DESPEDIDA

sexta-feira, 25 de abril de 2014

"Se eu largar o freio", Péricles

Vou falar de uma música lançada recentemente que me chamou muito a atenção, trata-se de Se eu Largar o Freio, composta por Carlos Caetano, Claudemir e Marquinho Índio, gravada pelo cantor Péricles (ex-Exaltasamba).


Conforme comentei no livro Como Escrever Letras de Música, é necessário equilíbrio entre música e letra, o que literalmente ocorre nesta canção que resolvi expor rapidamente hoje. Porém, o mais curioso é que a letra é de tão boa qualidade que o cantor (e/ou produtor) resolvem fazê-la, inicialmente na gravação, somente a cappella, isto é, somente voz, sem nenhuma outra espécie de acompanhamento. Inclusive, a música é assim também apresentada ao vivo, vide gravação nos Arcos da Lapa (CD e DVD), e perceba como o público se diverte!...

Ora, a letra é tão agradável, inteligente e bem construída que, ao se retirar o acompanhamento junto ao início da gravação, ao não existir mais nada para se prestar atenção além da letra, o ouvinte acaba se fixando naquilo QUE ESTÁ SENDO CONTADO.

Pergunto: "Em quantas composições existe a condição de assim se apresentar uma música?". Muito poucas, afirmo, porque as letras, no geral, chamam pouca atenção, cantadas a cappella torna-se impossível disfarçar a baixa qualidade. Conforme tenho comentado, as músicas, as gravações, superam em muito a qualidade das letras, que estão dia a dia mais sofríveis, o que não é o caso desta aqui que apresento hoje.

Repare na letra quanto ao explicado no livro a respeito de se contar uma história (mostrar), a questão da "materialidade", do uso dos substantivos etc.

Portanto, aí vai a dica de hoje, analise a letra dentro daquilo que já lhe foi ensinado e consolide um pouco mais de conhecimento.

Para checar a música do Péricles:

Para quem não conhece o livro:

Abraço a todos e bom trabalho com as composições.

Compro um violão ou uma guitarra?

Faz tempo que estou devendo algumas postagens, principalmente quanto a letras de música. Porém, vou começar com outras dicas de fundamental importância para o músico/compositor iniciante, que pretende comprar um instrumento para iniciar-se na música com instrumentos de corda. Então, grosso modo, a pergunta mais comum nessa escolha é: ”Compro um violão ou uma guitarra?”. E sobre isso quero falar hoje. Aviso que o violão que levarei em consideração aqui será o de náilon (nylon), pois pretendo fazer outra postagem indicando a diferença entre o violão com cordas de náilon e o violão de cordas de aço.

Quando no meu início com a música, eu pensava assim: “Tanto faz, porque os dois são iguais; a diferença é que um é acústico e o outro elétrico”. Porém, não é somente isso, vai muito além.

Tudo o que escrever a partir daqui são regras gerais, ou seja, sempre haverá um ou outro estudioso que poderá questionar e encontrar uma ou outra exceção. Porém, repito, escreverei em REGRAS GERAIS e para aquele que é INICIANTE, logo, esta postagem não é para especialistas.

O violão é para quem deseja aprender e tocar em casa, numa pequena reunião de amigos, isto é, em pequenos ambientes onde não seja necessário maior volume. No geral, a pessoa se acompanha e canta, assim como também cantam os amigos. É um instrumento de integração, pois sempre irão lhe pedir “toca essa, toca aquela... toca Raul...”, e por aí vai.


Também, é utilizado para estudos e execução de música instrumental e/ou clássica, a qual, por não acreditar ser seu caso, não me estenderei no assunto.   

A guitarra surgiu do violão por uma necessidade de se obter maior volume, principalmente pelos músicos que tocavam em orquestras e big bands (grandes bailes, festas etc.). Logo, é um instrumento que foi sendo desenvolvido, inclusive suas técnicas de execução, para se TOCAR EM GRUPO.


Então, Marcio, quer dizer que as técnicas de execução de um e de outro instrumento são diferentes, é isso? Exatamente isso. Eu, por exemplo, toquei guitarra muito tempo como se fosse violão, o que você também pode fazer, mas não soa bem em uma banda. Quando se toca em grupo, existe uma bateria (ritmo), um baixo (ritmo e harmonia), um teclado (harmonia, ritmo, melodia) e uma ou até duas guitarras (e irão soar iguais?), além de outros possíveis instrumentos.  Logo, o guitarrista precisa se integrar a esse todo buscando “seu espaço” sonoro.

Olhando por outro lado, para ver se facilita a compreensão, quando se toca violão sozinho, você costuma fazer acompanhamento para alguém cantar de modo a fazer soar algo mais “global”: ritmo, baixo, harmonia, melodia etc., tudo junto. Na guitarra, você apenas executa pequena parte disso, pois necessita se integrar ao grupo (seu som se integrar à banda). Também, no geral, o violão se toca diretamente com os dedos; a guitarra, com palheta (para se obter maior volume).


Sei que existe, por exemplo, os grupos chamados “regionais”, composto de instrumentos acústicos (inclusive violão) que acompanham cantores e/ou fazem música instrumental, mas isso já é outra história, é um som mais intimista, uma execução acústica.


Então, daí vem a principal pergunta? O que você quer fazer? Cantar, fazer música e se acompanhar? Violão. Quer montar uma banda, fazer um monte de solos com distorção? Guitarra.

Ah, quero fazer os dois… Então, compra primeiro o violão e depois a guitarra. Aprendendo violão, óbvio, a seguir, fica fácil aprender a tocar guitarra. Ao se comprar o violão, basicamente, por si só, ele se basta (menor custo). Quanto à guitarra, precisa cabo, correia e amplificador (maior custo).  Com o violão, você viaja, se desloca a qualquer lugar mais facilmente; com a guitarra, nem tanto.

Ah, mas não posso comprar um violão elétrico? Pode e até deve, mas se tocar em alto volume (numa banda, por exemplo) ele realimenta o sistema de som, dá feedback, isto é, microfonia (aquele agudo insuportável).  E se pegar um professor de violão, ele vai te ensinar a tocar “violão”; se pegar um professor de guitarra, ele vai te ensinar a tocar “guitarra”. A teoria musical é a mesma para todo e qualquer instrumento (bateria, piano, baixo, cavaquinho, banjo, violão, guitarra, saxofone, flauta etc.), mas as técnicas de execução (ainda que similares) são específicas para cada instrumento.


No geral, é isso. Espero ter ajudado, e aguarde postagens complementares sobre o tema.

quinta-feira, 17 de abril de 2014

Compra de instrumentos musicais pela internet (DICAS UM)

Faz tempo que eu fiquei de postar algumas dicas de compra de instrumentos musicais pela internet. Portanto, irei fazê-lo em duas etapas. Esta primeira, compra direta do site de lojistas e/ou fabricantes e, depois, uma segunda, com macetes para compra nos sites de vendas como Mercado Livre, Bom Negócio, OLX e Ali Express (que exigem diferentes cuidados).

Primeiramente, cuidado com compra direta dos fabricantes que vendem a prazo e irão ainda produzir seu instrumento e/ou equipamento. Sei que é difícil generalizar, porém, é sempre uma compra de risco. Como você deve ter lido no blog, eu tive um sério problema com a Walczak ainda em situação a ser resolvida (espero que breve). Vendem, você assume um compromisso de pagar, geram duplicatas, fazem factoring (descontam seu título com instituições financeiras) e, ainda que não lhe entreguem ou atrasem o quanto quiserem, você tem de ficar quieto e pagar rigorosamente em dia caso não queira ser protestado.


Pelo que soube, com esse fabricante, cerca de sessenta (60) consumidores foram logrados e/ou tiveram sérios problemas para receber seu produto. A empresa não mais existe e não sei se cumpriram com a entrega de todas as vendas realizadas. Na data em que escrevo, ainda estou tentando obter ressarcimento da empresa que ocupa o endereço da antiga empresa, uma espécie de sucessora. Caso se cumpra o combinado, prometo postar a finalização do acordo (caso está na Justiça Estadual).

No geral, vendem, descontam o título, não tem planejamento financeiro e, depois, não conseguem mais comprar material para a fabricação do que já foi vendido. Porém, na hora inicial da compra, todos se dizer absolutamente sérios e competentes. Portanto, antes de fechar o negócio, sugiro pesquisa no Google, algo como “problemas com a marca xis”, ou uma pesquisa no site Reclame Aqui. Encontrando problemas graves, caia fora.


É sempre mais seguro comprar em lojas credenciadas, principalmente naquelas de maior tradição no mercado. As principais que conheço há anos, realizei várias compras e recomendo, são duas: Made in Brazil e Playtech.

A Made in Brazil é distribuidor de algumas marcas como Dean, Tanglewood e Martin, que eu me recorde de cabeça, e tem um atendimento diferenciado. Empresa antiga e séria no mercado, tem várias lojas, inclusive dentro da EM&T do Jabaquara (Escola de Música e Tecnologia, fundada pelo Wander Taffo). As consultas feitas por e-mail são prontamente atendidas e as dúvidas técnicas esclarecidas. Facilidade no pagamento, entrega rápida e produtos bem embalados. Pode comprar sem susto.

A minha predileta, porém, é a Playtech. Não porque tive a oportunidade de, no passado, travar relacionamento comercial com o dono, porém, pelo dinamismo. Pode-se dizer que é um pouco menos “elitizada” que a Made in Brazil, porém, tem ampla disponibilidade de produtos sendo mais agressiva comercialmente e sabe explorar muito bem as ofertas. Eles têm um calendário promocional e o site está sempre com ofertas e novidades. Adoro o “outlet” deles e as vendas casadas com o importador, como a Stagg, por exemplo, com bons produtos e preços honestos. Igualmente, distribui algumas marcas conhecidas. A minha predileta é a Blueridge, marca americana de violões de qualidade.

Já tive problemas com uma ou outra compra (o que é normal quando se realiza várias compras pela internet) e resolveram de maneira altamente satisfatória, mesmo com perda financeira para eles, logo, não lhe deixam “na mão”. Para quem procura eficiência e preço, é a melhor.


Outras que já comprei, fui bem atendido e recomendo. A Orango Rock que igualmente responde dúvidas técnicas e envia os produtos muito bem embalados. Também, onde alguns fabricantes desovam produtos expostos em feira, com pequenos riscos e ou avarias. Portanto, não deixe de checar o “outlet” deles. E a Musitech, de Maringá / PR, que costuma ter bom preço nos produtos. O Paraná tem uma questão de menor ICMS, algo assim, o que dá uma ajuda nos preços. Realizei umas duas ou três compras, conheço quem também o fez, e deu tudo certo. Não tem a agilidade e a organização de uma Playtech e/ou Made in Brazil, mas demonstraram seriedade e atendem bem quando surgem problemas.

Tome cuidado, pois no Paraná tem algumas lojas que costumam dar problemas de natureza variada (evitarei citar nomes). Cheque sempre no Google antes de comprar.

Conheço outras boas lojas, inclusive no Rio de Janeiro, porém, somente vou falar daquelas onde realizei compras, portanto, indicar com conhecimento. Logo, evito citar se não tive a experiência prática. Quanto ao endereço dos sites, é fácil: joga no Google.

As vendas pela internet estão em um crescente e muito lojista pequeno e/ou vendedor imbuído de má fé faz uso de práticas eticamente condenáveis ou até criminosas, sobre o que falarei em postagem futura.

Portanto, antes da compra, depois de pesquisar sobre o produto e preço, não se esqueça de checar a idoneidade daquele que está lhe vendendo o produto. E, na dúvida, evite problemas, pois um pequeno desconto no preço hoje pode representar uma grande dor de cabeça futura.




Bem-vindo a Cuba

Conforme comentei em minha última postagem, sobre as “sutilezas do preconceito”, ando triste e preocupado com a violência que tem se propagado pelo mundo, principalmente em nosso país, a qual se encontra em altos índices e engloba as mais distintas áreas.

Agora há pouco, recebi um e-mail de um amigo pedindo que eu assistisse a um vídeo e tirasse minhas próprias conclusões. Resultado, assisti e não gostei do que vi e ouvi, por isso a postagem.

Não se trata de campanha política (sou apartidário), mas não compreendo muito bem algumas formas de pensamento e fiquei chocado porque, a princípio, tinha um melhor conceito da pessoa em questão, Marilena Chauí, a quem, infelizmente, me cabe discordar radicalmente apesar de respeitar os significativos estudos e o reconhecimento acadêmico que possui em sua área (não compartilhei da maconha marxista uspiana).

Trata-se do ódio que esta declara à classe média. Então, quem não viu, primeiramente, assista ao vídeo e “Acredite se Quiser”.


O que temos aqui expresso vai além de conceito filosófico, ideologia ou seja lá o que for, mas “ódio” e isso nos leva a mais divergência e questionamentos, mais instigação de luta e divisão entre brasileiros. É rancor, sentimento que afasta, que gera confronto, luta armada, violência.

Porém, o que não consigo entender é o tal conceito de “classe média” a que ela se refere, talvez eu seja burro demais e a Marilena inteligente em excesso. Assumo que minhas duas faculdades, uma pós, alguns prêmios literários e muita leitura (tudo por conta própria) nem chega perto do conhecimento adquirido por essa senhora ao longo dos anos de estudo e pesquisa (bancados pelo Estado), além da posição honrosa que ela ocupa dentro do PT. Assumo que mal arranho o grau de conhecimento dessa pessoa.

Para que o conceito de classe média não se transforme em mera figura de retórica cuja definição varie de acordo com o interesse do momento (*), vou me basear numa pesquisa realizada em 2014, do livro “Estratificação Socioeconômica e Consumo no Brasil”, escrito pelos professores Wagner A. Kamakura (Rice University) e José Afonso Mazzon (FEA-USP), a divisão de classe média (em RENDA MÉDIA FAMILIAR) é a seguinte:

Baixa classe média:  R$ 2.674,00
Média classe média: R$ 4.681,00
Alta classe média:    R$ 9.897,00

Quanto à legitimidade dos números, acesse:


Portanto, a Marilena Chauí literalmente odeia todos os brasileiros que tem renda familiar entre R$ 2.674,00 e R$ 9.897,00. Ela somente ama aqueles que ganham abaixo disso (pobre, vulnerável e extremamente pobre) (que somente esses são “trabalhadores”) e ama (mais ainda) os que ganham acima disso (baixa classe alta e alta classe alta).

Se você assistiu ao vídeo, todos ali na mesa são classe alta (renda familiar acima dos R$ 9.897,00) e muito me admira um ex-presidente do país ainda aplaudir uma declaração dessas. E, ao fundo, um cartaz “pós-neoliberais do Brasil: Lula e Dilma”. Honestamente, é chocante.

Portanto, segundo esse pensamento, de acordo com a política do PT, vamos ter nos próximos anos de governo (caso a Dilma se reeleja) a seguinte estratificação social: trabalhadores (com RENDA FAMILIAR abaixo de R$ 2.674,00) e pertencentes ao partido (que aí sim, ganharão mais de R$ 9.987,00). Em minha opinião, existe a tendência de se instalar uma ditadura de esquerda no país. Vide o link abaixo:


Portanto, caso sua renda familiar esteja acima de R$ 2.674,00 comece desde já a se esforçar para trabalhar e ganhar menos, reduza seus esforços para melhorar de vida (seja apenas UM TRABALHADOR), e comece a pedir auxílio financeiro ao governo ou, melhor, filie-se ao partido que, assim, poderá melhorar a sua renda. E se tiver um segundo imóvel, venda logo antes que dele se apropriem.

Seja bem-vindo, amigo, a Cuba ou, se preferir, à neo-Venezuela.


(*) Uma amiga petista, que tinha patrimônio e renda maior do que a minha, se considerava do proletariado e eu da "elite", apenas porque eu não votava na hipócrita da candidata dela e morava "perto da praia" (e ela tinha carro zero enquanto eu andava de ônibus). Outra petista, que tinha inclusive uma pequena empresa, de acordo com sua conveniência, me considerou "fascista higienizador" porque a contestei dizendo não querer drogado-cachaceiro flanelinha acharcando quem estaciona em via pública tampouco fazendo suas necessidades em vias públicas, junto à porta de minha casa. Segundo ela, eles tem o direito de ficar onde quiserem; acharcar quem quiserem; beber e fumar o que quiserem, assim como cagarem na porta de quem quiserem. Viva o Brasil...

Em tempo: fico feliz que não somente eu, mas outras pessoas, inclusive programas de tevê, como da Cultura, questionaram seriamente o equívoco histórico dessa senhora.

sábado, 15 de março de 2014

As sutilezas do preconceito

Provavelmente, do mesmo modo que o leitor, também considero essa história do politicamente correto “um porre”. Por causa dela, muitas vezes, acaba-se “perdendo a piada”, a graça do momento. Porém, a violência em nossa sociedade está em patamar tão elevado que, preocupado, me leva a escrever este artigo.

Mas o que tem a ver uma coisa com a outra?


É que tenho assistido, na maioria das vezes revidado, a algumas brincadeiras feitas por amigos cultos que, acredito, sem terem pensado um pouco mais no tema, acabam fazendo postagens de “gozação”, principalmente pelo Facebook, e, talvez, a principal delas é chamar os sãopaulinos de bambi. Tenho revidado, não pelo fato de ser torcedor desse clube, não por considerar que isso me ofende pessoalmente (tenho minha sexualidade muito bem resolvida) ou ao grupo de torcedores, mas por considerar que se trata de gesto que, socialmente, alimenta discórdias e violência. Explico.

Toda forma de estigmatizar é reduzir o indivíduo a integrante de determinado grupo e, a partir daí, pelos mais diversos motivos, justificar a agressão contra um ou outro. Homossexuais, mulheres, negros, nordestinos, torcedores de clube, têm sido agredidos diariamente por esse mesmo princípio: esquece-se sua condição de humano, de indivíduo sujeito a sua condição de nascença e/ou livre arbítrio e começa este a ser considerado apenas como integrante de indesejável grupo, com defeitos congênitos, portanto, dentro dessa forma de pensar, devem ser eliminados.


Então, consideramos “brincadeirinhas” mais estamos alimentando (e estamos em 2014) esses mesmos estigmas arcaicos e preconceituosos no inconsciente coletivo de uma sociedade já hipócrita por natureza (a brasileira). Como exemplo, tomemos os casos recentes contra os jogadores negros chamados por “macaco”. Ora bolas, então, vamos justificar como “brincadeirinha”, ou então, que “que mal tem nisso?”. Mas são nesses pequenos detalhes que mora o perigo.

Portanto, reduz-se o negro a “macaco”, a um animal, logo, sujeito à violência, à agressão, a lhe ser negado um emprego ainda que o candidato mais qualificado etc. e etc. O mesmo raciocínio ao se considerar todo homossexual como sãopaulino-bambi (assim justifico minha agressão contra esse grupo). Quanto mais reduzo, mais facilmente me agrupo, identifico e ataco. 

Além de ser crime, todo aquele que chama um negro de “macaco”, ainda que seja efetivamente branco, esquece-se de que, segundo Darwin, todos somos descendentes de macacos e, com certeza, este energúmeno está muito mais próximo do “macaco” do que aquele a quem ele se dirige.


Homossexuais são homens livres que torcem pelo time que quiserem, têm livre arbítrio. Por favor, não os reduza a objetos, à sua preferência sexual, não os condicione a este ou aquele time, não os discrimine, ainda que de forma despretensiosa, “foi apenas uma brincadeirinha”. Por favor, não ajude a alimentar a discórdia e a violência contra esses grupos considerados minoritários.

Era a minha mensagem para hoje e, por favor, pense um pouco mais sobre o assunto.




sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Press Release de Livros Técnicos

Olá, amigos músicos e/ou escritores. Conforme o pessoal já sabe, além da literatura, sou um estudioso de Produção Textual e desenvolvo, à medida do possível, estudos nessa área há anos. Porém, nunca divulguei esses trabalhos. Agora, com a finalização do livro sobre técnica de escrita de letras musicais, resolvi também publicar um livro anterior sobre técnica de escrita literária que já me foi muito solicitado por escritores e estudiosos de Guimarães Rosa, e eu enviava em PDF.

Sobre o estudo das composições musicais, a criação de letras, irei postando informações complementares aqui no blog.

Finalizando, os dois estão disponíveis aos interessados em www.agbook.com.br, em papel ou e-book, basta buscar por Marcio Callegaro, ou clicar no link abaixo, se estiver acessando aqui direto do blog.



Então, é isso. Abaixo segue maiores detalhes sobre os livros.


***

Clique para ampliar

Trata-se de material inédito em termos de Brasil, no qual o leitor aprenderá, em 18 capítulos, os principais recursos para se desenvolver, de forma efetiva, na escrita de letras para canções populares; seja um músico experiente ou apenas um compositor iniciante. O autor, que tem especialização acadêmica em Teoria da Literatura, é músico amador desde adolescente tendo se iniciado na escrita de letras musicais muito cedo. Por escutar grande número de canções com letras deficientes em detrimento de ótimos arranjos, gravações e interpretações, optou em escrever esta oficina a fim de que o compositor não somente evite os erros grosseiros, mas, também, aprenda a usar recursos da língua, principalmente imagéticos e sonoros, os quais atribuem valor ao texto. Desse modo, também, acredita que agentes musicais, produtores e os próprios intérpretes poderão evitar certas músicas com falhas gritantes em suas letras, como as encontradas hoje, de modo a otimizar o retorno do capital investido.

***

Clique para ampliar

Este estudo foi realizado basicamente como apoio técnico a escritores de literatura, demonstrando o amplo leque de possibilidades quanto à utilização dos nomes próprios tanto para nomeação de personagens quanto de lugares fictícios. Extrapola os objetivos iniciais mostrando outra gama de recursos textuais utilizados por escritores de projeção, principalmente, João Guimarães Rosa. Deste, é feito o estudo base a partir de “A Hora e Vez de Augusto Matraga”, conto de encerramento de “Sagarana”, uma das obras-primas do autor e considerado por Antonio Candido um dos contos mais perfeitos da literatura brasileira. Também, amplia conhecimento para estudiosos de técnicas de leitura e crítica literária, por mostrar a gama de interpretações possíveis a partir do conhecimento das técnicas utilizadas para nomeação. É um livro escrito por um escritor para outros escritores cuja principal fundamentação foi o relato e a análise da poética de seus congêneres. 

***